Tendências para 2017: novos comportamentos em marketing digital e tecnologia

Um mundo altamente conectado por meio de dados, automação, redes de comunicação e tecnologia. Esta parecia uma profecia longínqua, que hoje se incorpora no cotidiano e ganha mais força, com projeção de grandes avanços em 2017. O próximo ano promete uma maior imersão, que converge para novos meios de negócios e oportunidades na área do marketing e tecnologias.

Acompanhe as principais tendências que se alinham em 2017.

O virtual e o real

A realidade virtual aumenta as dimensões reais, com influência direta no comportamento. Nos últimos tempos foram apresentados vários cases, que desenharam novas inclinações de recepção do consumidor.

No evento HSM Expo que ocorreu em novembro de 2016, o cofundador da Apple, Steve Wozniak, apontou tendências. A realidade virtual é vista como agente de mudança na educação. Ele ressaltou que empresas como Samsung e Facebook apostam na realidade virtual e contam com seus próprios aparelhos para visualizar esses novos conteúdos em 360 graus, o Gear VR e o Oculus Rift, respectivamente.

unica_propaganda_artigo_tendenciais_2017_imagem01
Steve Wozniak falou sobre tendências de tecnologia para os próximos anos (Foto: Openspace)

Vale lembrar experiências deste ano, que também devem ser ampliadas. O case do game Pokémon Go foi considerado um fenômeno no uso da realidade aumentada em jogos e aplicativos. A tecnologia está na mira de grandes empresas como Apple, Google, Facebook, Snapchat, Twitter e Amazon.

Internet das coisas

A alta conectividade está pautando as indústrias, para isso está sendo aplicado o conceito da internet das coisas (IoT), que propõe conectar dispositivos à internet.

A Cisco estima que até 2020 haverá 50 bilhões de dispositivos ligados a internet, tanto em empresas quanto nas casas. O volume de tráfego de dados pela internet será muito grande, o desafio nesse cenário é transmitir as informações de forma segura e com confiabilidade.

Na prática B2B, ou seja, de empresa para empresa, a IoT contribui ativamente no rastreamento, controle de estoque, transporte e segurança. A tendência também está aquecendo o mercado de trabalho no desenvolvimento de software de sistemas. São estimados significativos avanços de impacto econômico, que podem superar US$ 1,9 trilhão somente no ano de 2020.

Carros autônomos e conectados

Os carros conectados irão provocar grandes mudanças no transporte, Steve Wozniak visualiza nos carros autônomos um potencial para a disrupção do mercado.

Os veículos, já prometidos por montadoras para a próxima década, sinalizam transformações. Esta novidade em muitas situações dispensa a intervenção humana, mas também promete promover mudanças de comportamento na sociedade.

Tendências para 2017: novos comportamentos em marketing digital e tecnologia
CEO da Tesla planeja viagem de Los Angeles a Nova York sem motorista

Recentemente a Tesla anunciou que todos os seus carros terão um sistema de direção 100% autônoma, que em um primeiro momento ficarão desativados para colher informações do comportamento e das rodovias, para que os carros “aprendam” sobre o trânsito.

As máquinas aprendem

A machine learning, aprendizagem automática, também está entre as tendências em destaque. Esse campo da ciência da computação consiste em dar às máquinas a capacidade de aprender sem serem simplesmente programadas. É esperada uma significativa evolução, isso se dá por meio do reconhecimento de padrões, fato que pode melhorar as interações entre homem e máquina.

O mundo da aprendizagem das máquinas também prevê inclusão de algoritmos, que permitem mais “autonomia” aos softwares. A meta é utilizar e estimular a memória de dados, para converter as experiências dos usuários e transformar em resposta avançadas. Esta expectativa de ascensão pode ser traduzida em redes neurais profundas (DNNs), um tipo de aprendizagem avançada de máquina que usa conjuntos de algoritmos para modelar relações não-lineares complexas.

Assistentes virtuais e bots de atendimento

As relações das empresas e clientes devem ter significativas mudanças, já que o mundo se abre para “invasão” dos algoritmos e da inteligência artificial (IA) nos seus processos.

Dessa forma, podemos exemplificar que as máquinas serão capazes de dar respostas mais complexas aos usuários, levando em consideração uma pesquisa mais aprofundada, que cruza dados e apresenta soluções.

Sistemas como o Siri da Apple e o Cortana da Microsoft e Amazon Echo são citados como precursores neste contexto. Os clientes estão dispostos a adotar essas tecnologias para ajudá-los a passar por quantidades cada vez maiores de informações, escolhas e decisões de compra.

Um dos exemplos é a Skyscanner. O site aposta em um software que simula ação humana (bot), que ajuda os usuários na procura de voos a partir de uma conversa no Facebook Messenger. A ferramenta permite interação do usuário com um robô, que tem uma base de informações.

Também são relacionados os assistentes virtuais, que podem estabelecer diálogo com o cliente, levando em consideração a última vez que interagiram. Algumas das promissoras tecnologias de assistente digital móvel são Cortana, Google Now, Siri e Amazon Echo. Há indicativos de que os clientes estão dispostos a adotar gradativamente essas tecnologias para ajudá-los no tráfego de informações e decisões de compra.

A empresa brasileira Mecasei, utiliza robôs integrados ao Facebook. A assistente virtual da startup, chamada Meeka, responde dúvidas pelo chat sobre questões relativas ao casamento. A utilização de robôs para automatizar rotinas ultrapassa as redes sociais. A Aspect lançou um chatbot que vem com a promessa de ampliar a eficiência para os agentes do contact center.

A robótica também caminha para além dos assistentes virtuais. A japonesa Softbank criou o Pepper, que já está em teste para atendimento aos clientes.

Segundo o site de tecnologias da Cio.com.br, a MasterCard também anunciou um humanoide que será implementado em algumas unidades da Pizza Hut de Singapura. Em um vídeo, o dispositivo conversa com uma cliente e “anota” seus pedidos por meio do tablet acoplado a sua estrutura. Estas são algumas das tendências listadas a partir dos avanços das tecnologias.

Mídias sociais e marketing digital

O próximo ano também promete andar no balanço das mídias sociais. Segundo artigo publicado no Olhar Digital, um estudo produzido pelo grupo Kantar Media analisou as possibilidades das mídias sociais em 2017, com interferência no comportamento dos internautas.

A análise aponta desde a rivalidade cada vez mais acirrada entre Facebook e Snapchat até a invasão dos chatbots. A briga não deverá ser pelo número total de usuários, mas sim pela quantidade de internautas ativos no serviço.

As empresas também estão atentas aos novos comportamentos no acesso de informações. A tendência é que cada vez mais players adotem a estratégia de produzir conteúdo diretamente na rede social sem a preocupação de levar o usuário para algum site.

Evolução de cenários

As novas tecnologias de transmissão de dados evoluem gradativamente, muitas mudanças já fazem parte do cotidiano, mas as novidades não param, muitos avanços estão previstos.

  • Domínio do mobile sobre desktop’s: empresas precisam se preocupar em adaptar para os dispositivos mobile;
  • Crescimento de anúncios em vídeos;
  • Big data: a utilização do grande volume de dados na tomada de decisões estratégicas;
  • Automação de marketing: cada vez mais, todos os processos de rotina poderão ser automatizados para melhorar a assertividade e eficiência;
  • Marketing de conteúdo: o marketing de atração está ganhando cada vez mais espaço sobre o marketing de interrupção(tradicional);
  • Investimento nos canais de conversão;
  • Mais dispositivos inteligentes e inovações em tecnologia vestível (wearable);
  • Aumento de recursos de busca por comandos de voz nos smartphones. A ideia é utilizar geolocalizadores, para que os resultados variem de acordo com o local.

O desafio

Ao pesquisar as tendências de mercado e de comportamento do consumidor para o próximo ano, é possível afirmar que a chave do sucesso será saber lidar com a entrega de conteúdos e com a forma em que o tráfego de informações está ocorrendo.

As tendências apontam para um mercado versátil e cada vez mais tecnológico. O conteúdo continua sendo rei, quanto mais interativo será mais competitivo, objetivando assim, maior conexão e consequentemente mais retorno nos investimentos. O mercado vive um momento de grande impacto das novas tecnologias, que muda o padrão de consumo e comportamento das marcas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *