NRF 2017 conecta pessoas e tecnologias

Os olhos dos varejistas do mundo inteiro estiveram voltados, durante três dias, à convenção anual da National Retail Federation (NRF), realizada de 15 a 17 de janeiro, em Nova York, pela associação americana de varejo. O maior encontro varejista analisa e aponta tendências de mercado.

As inovações tecnológicas protagonizam os principais debates e chamam atenção pelos passos largos que caminham nos últimos tempos, ao mesmo tempo estimulam reflexões sobre o espaço das pessoas neste cenário. Muitos dos renomados palestrantes da NRF chamaram atenção para a necessidade de direcionar as experiências para o “quem”, depois ao “o que”.

A valorização das pessoas frente aos avanços tecnológicos centralizou muitas reflexões, para ampliar o vínculo emocional com a marca a aposta é no trabalho de valorização das equipes. Mesmo com tanta tecnologia, a ideia é humanizar as ações, utilizando as inovações em favor de novas experiências que aproximem o consumidor da empresa.

Neste contexto, se destaca a análise de que os compradores esperam uma troca na relação de consumo, caminho que passa pela confiança e diálogo, com as respostas esperadas. O consumidor tem urgência, para que a conexão ocorra sem ruídos, os varejistas têm o dever de se preparar e adaptar os processos quando necessário. A disposição de inovar deve estar incorporada ao cotidiano, para proporcionar as melhores experiências aos usuários, com estratégias assertivas.

Conversation Commerce

Um dos caminhos apontados é ampliar o diálogo com o usuário. Entre os meios utilizados neste sentido estão os chats, instrumentos de mensagem com o desafio de transmitir naturalidade de forma prática e objetiva.

Os chatbots estão em evidência como uma ferramenta de aproximação com o cliente. São um subconjunto da inteligência artificial, que de forma automatizada respondem os consumidores e aprendem a cada atendimento. É um programa de computador que tenta simular um ser humano na conversação com as pessoas.

Leia mais: Tendências para 2017 em marketing digital e tecnologia

Experiências e novos comportamentos de mercado

O grande estímulo no varejo é o de se colocar no lugar do cliente e entregar as melhores experiências com produtos customizados, ofertas especiais, interatividade digital e presencial.

NA NRF, foram compartilhadas as experiências da Shoes of Prey e a Indochino, duas empresas que estão criando produtos customizados . O co-founder e chief creative officer da Shoes of Prey, Jodie Fox e o CEO da Indochino Drew Green, discutiram como esta tendência está mudando a indústria e como a customização em massa e a produção sob demanda são a chave para o futuro do varejo.

Jodie Fox, co-founder e chief creative officer da Shoes of Prey

Shoes of Prey, inova na estratégia em que os consumidores fazem o design de seus próprios sapatos, por meio de ferramentas digitais eles escolhem a forma e os materiais que serão utilizados. A Indochino oferece aos consumidores a alternativa de receber em casa ternos customizados, após definir as medidas, estilo e tecidos.

Atendimento de qualidade

O bom relacionamento com o cliente continua sendo princípio básico, adicionando as novas tecnologias ao seu favor. As pessoas querem proximidade e interatividade, os novos canais de comunicação criam percepções de mercado, que devem ser somadas a missão de encantar clientes nas lojas físicas e virtuais.

Leia mais: SAC 3.0: A evolução do relacionamento entre marca e consumidor

Para despertar o engajamento do cliente é necessário oferecer algo que contribua, que solucione problemas. Por isso, a avaliação do planejamento estratégico deve ser uma constante, para dar ouvido ao cliente e traduzir novos insights em ações, dessa forma as vendas deixam de ser impositivas, passam a seguir a intuição do cliente. Os consumidores querem se sentir únicos, ao receber informações e consultorias que apontem as melhores escolhas na hora da compra.

Preparação

O mercado também é de oportunidades para quem quer inovar. A inserção de novas tecnologias no lugar de pessoas carrega a preocupação social e econômica na geração de empregos, mas ao mesmo tempo cria novos espaços que só podem ser ocupados por humanos.

É um desafio buscar este equilíbrio, mas a janela de mercado abre para quem visualiza novas oportunidades e busca espaço para desenvolver o talento em diferentes modelos de negócios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *